segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Who?


O que você precisa pra se sentir bem?
Fazer o que gosta? Comprar o que gosta? Ter o que gosta? Estar perto de quem você gosta?
Ou ser aquilo que o outro gostaria que você fosse?
Qual é a graça de viver um personagem?Ou melhor, vários deles?
Não ser você mesmo é simplesmente viver à sombra do querer de quem na verdade não te ama.
Quem te ama, gosta de você pelo que você realmente é.
Mas não adianta fingir, basta olhar dentro dos olhos pra enchergar a realidade.
Forçar um estereótipo de algo criado é como posar para uma foto. O seu efeito é momentâneo, mas poderá sempre ser relembrado, relembrado por aqueles que exibirão esta foto como um troféu: -Esse foi meu grande amigo!
Melhor é viver o que se é, passar bons momentos inesquecíveis ao lado dos seus amigos, amigos estes que no futuro provavelmente não terão uma foto à exibir, mas sim a lembrança fresca na memória, e não dirão esse foi meu melhor amigo, mas sim este É meu melhor amigo.
E você? Já foi você mesmo hoje?

sábado, 24 de outubro de 2009

Só um passo


Você realmente quer apertar o grande botão vermelho?
- Socorro eu preciso!
Realmente é comum ouvir esta justificativa.
E quando se pensa que tudo está bem, o fútil entra em ação. Poderia ser caracterizado como o pavio da dinamite pulsante que é nossa vida.
O que te faz sair do eixo?
Sim, todos têem algo que aciona o fogo que queima todo o pavio da nossa paciência, da nossa tolerância.
Triste que os outros sejam ignorantes em relação a entender o próximo. Entender o que se passa com o próximo.
Pois até o que alguém faz, simplesmentte o que lhe realiza, o que lhe faz bem, tudo isso pode ser motivo de críticas, críticas destrutivas.
Porque o mal é sempre motivo de maior atenção e caso para maiores discussões?
É, parece que realmente o que você quer fazer de bom não é bem visto ou até mesmo passa desapercebido entre o turbilhão de supostos enormes defeitos que se destacam em nossa personalidade.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Selos

Bom, que honra, recebi meus 3 primeiros selos, e de uma só vez!

Bom, um deles tem uma regrinha que eu, claro, não vou quebrar.






O selo este blog não sai da minha cabeça deve ter uma postagem com 10 coisas que não saem da usa cabeça, e deve ser indicado à 10 blog's. Então vamos lá.


• 10 coisas que não saem da minha cabeça:

1- Deus
2- Meus pais
3- Minha família
4- Meus amigos
5- Tenho que estudar pra aquela matéria...
6- Tenho que ver meu orkut hoje
7- Tenho que ver meu twitter hoje
8- Tenho que ver meu blog hoje
9- Tô tão viciado em internet ulimamente
10- Será que estão gostando dos meus posts?


• E agora os indicados







7- Party all the time http://gutow23.blogspot.com/


9- Um lado meu que não posso ignorar http://sobrevivendoapenas.blogspot.com/

Bom, pena que só podem 10, teria mais pra indicar. Não desmerecendo ok?
Abraço e obrigado Cultural pelos selos :D
Como você diria, xero!

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Ausência


Não entendo a sociedade.
Conviver diariamente na infância, criar elos inseparáveis, amizades perfeitas.
Pra mim essas eram, na minha infantil cabeça, a minha forma de fazer amigos para sempre.
Que desiludido, realmente era só uma infantil cabeça.
Ver todos aqueles que se passaram por sua vida, todos aqueles que você havia escolhido pra "viver junto" pra sempre, agora tão distantes. Isso tudo é tão estranho.
Seria legal um reencontro pra reviver os velhos tempos.
Sim, estou me lembrando da minha época de ensino fundamental.
Sou grudado de mais nas pessoas, isso não me faz muito bem.
E difícil se preocupar as vezes mais com os outros do que com você.
Difícil.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Taking time


A roda viva que tem seus altos e baixos desta vez pode estar no alto pra quem sabe esperar o momento certo, age da maneira correta.
O melhor a fazer sempre é esperar, esperar pelo momento certo.
Ouvir mais, por mais que te corroa por dentro é a melhor forma de colher frutos no futuro.
A podridão dos frutos vem de acordo com a podridão das palavras ditas na hora errada, de maneira errada. Estas são lançadas como flechas em corações, os manchando, manchando muito.
O alvejante mor, o pedido sincero de desculpas pode até limpar o obscuro, mas o que fere deixa cicatrizes.
Aprender a conviver com elas e ser feliz. Melhor caminho.
Mas é preciso um esforço para manter-se seguro e não ter vergonha de apresentá-las. Esforço que vale a pena.

domingo, 4 de outubro de 2009

(Des)agradável


O perigo mora ao lado. Mas quando o perigo é agradável, quem não quer pedir um pouco de açúcar ao vizinho?
Hoje percebi o quanto é ridículo caminhar em espinhos que infelizmente são agradáveis.
Até quando iremos no martirizar por algo que só vale a pena para uma satisfação instantânea, momentânea.
A verdade é que todos somos masoquistas.